quarta-feira, 27 de abril de 2011

(Re)amar.

"Mas o seu amor me cura, de uma loucura qualquer, é enconstar no seu peito, e se isso for algum defeito pro mim, tudo bem". - Lulu Santos


Dias de silêncio e uma internação em um santuario interno.
E eis que um dia eu volto, com um coração saltitante, e aquele velho sorriso no rosto. Mas a novidade é o fim de toda a minha solidão.
Quantos descaminhos o destino te reserva, até que você ajuste seus ponteiros?
Um dia eu conheci o nome dele, um sobrenome forte para uma personalidade gritante. Impossivel ser insensivel a tanta provocação, como não admirar um português tão bem escrito.
Um rosto tão interessante quanto a personalidade. Bonitinho mas ordinário, essa era a frase que me passava na cabeça quando via seu nome aparecendo.
Dois anos deixando a vida passar tão preto e branco. Dois anos no mesmo ambiente e era como se nós simplesmente orbitassemos em universos paralelos. Eu não o enxergava, e ele não me via.
Cheios de planos, eu com minha pretensa solidão. Ele procurando apenas um pouco de distração pós-horario comercial A gente sempre teima em esquecer que o destino adora brincar de desfazer nossas certezas.
Tantas vezes te olhei sem pretensão, te admirei de longe sem me atentar demais aos seus detalhes tão lindos e hoje necessarios.
Tão desesperador foi constatar que minha fuga, virara meu maior desejo.
Quanto tempo levou para eu perceber você, e merecer um pouco mais da sua atenção.
Meu universo hoje canta só por você.
De repente eu agradeço tanto descaminho, agradeço todas as histórias que não deram certo, todos os "nãos" que me deram. Tudo que eu vivi me preparou pra que eu chegasse a você.
Ouvir o timbre bonito que a sua voz tem, e o sotaque carioca-paulistano-sulista que me conta por onde você esteve todo esse tempo.
Ter seu colo no final do dia, simplesmente por ter esperado por ele em todas as horas anteriores do meu dia, ou porque o dia foi longo e dificil.
Sentir o cheirinho gostoso do seu pescoço e respirar aliviada.
Olhar você concentrado enquanto dirige, ou quando sorri envergonhado por perceber que eu estou te olhando.
Ter a delicadeza de me esperar dormir, mesmo que eu te deixe falando sozinho por conta disso.
São tantas as coisas ligadas a você que me fazem abrir um sorriso sem querer daqueles que fazem as pessoas se perguntarem: "Por que essa moça sorri tanto?"
Ele sabe, ele sabe.
A razão de tanto sorriso, tanta musica doce, tanta palavra bonita é ele. Que me dá tanto carinho e atenção que me faz esquecer tanto pontapé da vida.
E não me preocupo mais, as vezes ainda me assusto com a quantidade absurda de carinho que ele quer me fazer. As vezes ainda tenho que lutar contra meu impulso repentino de querer sair correndo, desconfiada. Afinal depois de só conhecer gente que mente e magoa, nos assustamos quando encontramos alguem assim, tão cheio de paz, querendo distribuir tanto amor.
Eu por ora, não peço mais nada da vida.
Ela acaba de me dar uma dadiva.
Um moço daqueles que eu não acreditava mais que existiam, apareceu. Olha só que sorte a minha.
E nele que eu penso em todas as horas do meu dia, e dessa vez, graças ao bom Deus, é reciproco.

4 comentários:

las Marias disse...

parabéns pelo blog!
lindo!!!!
bjão
www.blogdatruzzi.blogspot.com

AninhaGR disse...

Ah, minha amiga, que saudade de tu! Como a vida muda! Que bom! Fiquei tão feliz com o teu texto! Amar e ser amada! Beijão, flor!

Luana Conti disse...

E novamente ela nos arrebata. Me conquistou logo com o trecho escolhido. Lindo.

Luaaz disse...

ótimo... adoreei!